Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 27 de março de 2011

O coronelismo neo-pós-moderno e seus males para o desenvolvimento econômosocial da região nordeste do Brasil.


 Um pouco de História, podemos afirmar que de fato o  coronelismo institucional surgiu com a formação da Guarda Nacional, criada em 1831, como resultado da deposição de Dom Pedro I, ocorrida em abril daquele ano. Inspirada na instituição francesa, forjada pelos acontecimentos de 1789, a "guarda burguesa" era uma milícia civil que representava o poder armado dos proprietários que passaram a patrulhar as ruas e estradas em substituição às forças tradicionais, derrubadas pelos revolucionários. Para ser integrante dela era preciso  ter posses, quem tivesse recursos para assumir os custos com o uniforme e as armas eram necessários  200 mil réis de renda anual nas cidades e 100 mil réis no campo.
Como sistema sociopolítico  forçoso afirmamos que  coronelismo foi um sistema de poder político que floresceu  no período  da República Velha 1889-1930, e foi  caracterizado pelo enorme poder concentrado em mãos de um poderoso senhor  local, geralmente um grande proprietário de terras, um dono de latifúndio, um fazendeiro ou um senhor de engenho próspero.

Mas O coronelismo neo-pós-moderno surge no Brasil com o advento do Prefeito, diga-se de passagem uma instituição um pouco jovem na história política da República Brasileira, se na aquela época  o  mundo dos coronéis era povoado pela escassez de tudo e pela pobreza quase que absoluta,e  quando nâo na  miséria dos moradores, o que explica a enorme dependência que todos tinham dele.
Hoje não é muito diferente em muitas cidades pequenas e de porte médio localizadas no interior dos estados da região nordeste, o coronelismo neo-pós-moderno, “No Brasil, uma prefeitura é a sede do poder executivo do município semelhante à câmara municipal, em Portugal esta é comandada por um prefeito e dividida em secretarias de governo, como educação, saúde ou meio ambiente. O termo prefeitura tambêm pode designar o prédio onde está instalada a sede do governo municipal, também chamado de paço municipal onde geralmente fica o gabinete do prefeito.
A instituição da prefeitura de seu encarregado maior, o "prefeito", é algo relativamente novo na História do Brasil. O poder hoje exercido pela prefeitura foi anteriormente exercido pela câmara, pelo conselho de intendência e pela intendência municipal.

Mas foi com a Era Vargas que esta figura ganhou poder e status, força política representativa, Revolução de 1930 e o início da Era Vargas, cria-se  a figura do prefeito e institui-se a "prefeitura", à qual, como acontecia anteriormente com a intendência municipal, continuam a ser atribuídas as funções executivas do município. O prefeito, a partir da Constituição de 1934, passa a ser escolhido pelo povo, mas, durante os vários períodos ditatoriais da história do Brasil, por vezes o cargo voltou a ser preenchido por apontamento dos governos federal ou estadual.
É exatamente aí que surge a figura do coronel neo-pós-moderno com a eleição de uma chefe de família, estava de certa forma assegurada a riqueza de toda a família, uma vez que impostos, tributos, taxas e contribuições não tinham uma fiscalização eficiente, o que só vai acontecer mesmo depois da aprovação da lei de responsabilidade fiscal, os ricos comerciantes, industriais,  fazendeiros  e profissionais liberais  passaram a se alternar no poder municipal.

O coronelismo neo-pós-moderno  ainda marcado pelo domínio de oligarquias,ora formadas por casamentos, ou por acordos comercias feitos com base no lucro fácil e na dilapidação do erário público, as cidades que vivem deste tipo de governo oligárquico não crescem o suficiente, pois o desvio de verbas, o favorecimento de parentes e dos que fazem parte da panela não dão espaço para que o povo se beneficie, bem, como os investimentos feitos na e em favor da oligarquia que governa, se você anda em certas cidades, do interior do nordeste vai notar que setenta por cento(70%) do patrimônio imobiliário pertence a no Maximo três famílias e que estas famílias já tiveram no mínimo um prefeito na família.

Ainda persistem,  neste sistema os roubos, os desvios de verbas publicas, o sucateamento da educação, com professores mal pagos e muitas vezes tendo que dividir o salário com mais duas ou três pessoas, vivendo com salários atrasados em alguns casos   chegado ao absurdo de cinco a seis meses, mais isto não é o pior quem se arrisca a protestar ou reclamar de tudo isto muitas vezes é covardemente assassinado, ou vive sob as constantes ameaças de morte por parte de prefeitos  e ex-prefeitos ladrões.
Faço aqui menção particular ao grande herói covardemente assassinado, por lutar pelos direitos do povo e contra a tirania  e  desmando em sua cidade, o ex- vereador e radialista  Manoel Messias. Abro espaço aqui  para trechos de uma reportagem de  LARA SCHULZE

da Agência Folha
14/07/2003 - 21h22:O vereador Manoel Messias (PSDB), 29, da cidade de Ouricuri, (630 km do Recife), foi assassinado com três tiros no sábado. Ele estava dentro de uma farmácia. Duas testemunhas foram ouvidas pelo delegado Guido Lins Cavalcanti, 39. Ambas presenciaram o crime, que ocorreu por volta das 19h.”  
Este é apenas um dos muitos heróis que tombam no cumprimento do dever, estes são vitimados pela ganância de poucos e acima de tudo pela covardia de muitos que se esquecem que o poder dos corruptos repousa, nos votos dos corruptores,  só existe poder porque o povo delegou assim o  poder é do povo e não dos psicopatas ocupantes de função pública, que pensam estar acima do bem e do mal e da lei. A região nordeste não será nunca uma região rica e prospera como de fato deveria ser, enquanto a educação não  deixar de ser alienante, para ser informante e principalmente, uma agente de libertação, que o povo nordestino possa se libertar das amarras da corrupção política e religiosa, que muitas vezes serve de alavanca para manter bandidos no poder público local.     Publicado originalmente em http://www.JornalismoVerdadeLimpa.blogspot.com  
      Bibliografia consultada Livro História Moderna e contemporânea de Pazzinato L. A. Seniense V. H Maria. Editora Editora Ática.  6º edição.Blog http://www.joseanolaurentino.blogspot.com 
http://www.wikipedia.com.br
Soli Deo Gloria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.